Com o BH Challenger JMen, Zé Roberto Reynoso papa GP Enio Monte em Santo Amaro

0
1144

A principal da disputa da 6ª Etapa da Copa Santo Amaro de Salto foi mais que acirrada na tarde desse sábado, 16/7, no Clube Hípico de Santo Amaro (SP). Dos 42 conjuntos que largaram no GP Enio Monte, 1.40 metro, em homenagem ao pioneiro da criação do cavalo Brasileiro de Hipismo (BH), 17 foram ao desempate com R$ 30 mil em jogo. Ao final não deu outro: o cavaleiro da casa José Roberto Reynoso Fernandez Fº montando Challenger JMen faturou o título sem faltas cruzando a linha de chegada em 34s01. Essa foi a 4ª vitória do cavaleiro nos seis GPs da Copa Santo Amaro em 2016.

Zé Roberto e Challenger JMen a caminho de mais uma vitória na Copa Santo Amaro; img; Duílio Andrade
Zé Roberto e Challenger JMen a caminho de mais uma vitória na Copa Santo Amaro; img; Duílio Andrade

“Vencer o GP Enio Monte montando um cavalo de criação nacional, sem dúvida, é muito prazeroso. Ainda mais montando um cavalo do Haras Agromen, meu grande parceiro há muitos anos”, destacou Zé Roberto. “Eu também gostaria de parabenizar o Felipe Braga, cavaleiro da minha equipe que se acidentou e vinha montando o Challenger JMen. Foi uma tarde maravilhosa como em todas as etapas da Copa Santo Amaro.”

Só alegria no alto do pódio do GP Dr. Enio Monte; img: Duílio Andrade
Só alegria no alto do pódio do GP Dr. Enio Monte; img: Duílio Andrade

Na 2ª colocação teve um raro empate dos tops Francisco Musa, novo cavaleiro da casa, montado Bolero JMen e Fabio Sarti, representante da Hípica Paulista, montando em Desteny, ambos sem faltas, em 36s53.

A super dupla Musa e Bolero JMen
A super dupla Musa e Bolero JMen
Fabio e Desteny em salto perfeito: img: Duilio Andrade
Fabio e Desteny em salto perfeito: img: Duilio Andrade

O 4º posto foi do cavaleiro da Hípica de Campinas, Ismar Augusto Ribeiro Neto com Chronos da Mata, pista limpa, em 38s13. Completaram o pódio na 5ª e 6ª colocação, Bartholomeu Bueno de Miranda Neto, o Totty, com Ariness van´t Wolferink e Roberta Motin com Overnight, ambos pelas cores da Hípica Paulista.

Os campeões do GP com o homenageado Enio Monte, titular do Haras Itapuã, William Almeida, presidente do CHSA, e Thereza Tourinho, diretora de Salto do CHSA
Os campeões do GP com o homenageado Enio Monte, titular do Haras Itapuã, William Almeida, presidente do CHSA, e Thereza Tourinho, diretora de Salto do CHSA

 

Justa homenagem a Enio Monte

“Estou muito emocionado com esse homenagem com um GP em meu nome aqui no Clube Hípico de Santo Amaro, que sempre foi a minha casa”, destacou Enio Monte, de 86 anos, dos quais 41 dedicados à criação de cavalos de esporte. Pioneiro na arte de selecionar desde a década de 1970 o cavalo de hipismo nacional, Ênio Monte tem um trunfo que nenhum outro criatório brasileiro alcançou: seu Haras Itapuã, em Arandu, interior paulista, é o único criatório no País cuja linhagem produziu cavalos olímpicos nos Jogos de Los Angeles 1984, Barcelona 1992, Atlanta 1996 e Sidney 2000. Sua linhagem também marcou presença em vários Pan-americanos. MC Alpes, por exemplo, foi o primeiro Brasileiro de Hipismo (BH) em Olimpíadas, nos Jogos de Los Angeles 1984, montado por Marcelo Blessmann.

Em nome da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo de Hipismo, idealizada por Enio Monte em 1977, Luis Rocco, diretor técnico da entidade, entregou uma bandeja ao criador e apaixonado horseman.

Enio Monte ladeado or Luis Rocco, superintendente da ABCCH, e William Almeida, presidente do CHSA
Enio Monte ladeado or Luis Rocco, superintendente da ABCCH, e William Almeida, presidente do CHSA

 

Uma vida dedicada aos cavalos

Ligado ao mundo dos cavalos desde a infância, Ênio Monte tomou gosto pelo esporte quando fez equitação no Regimento de Cavalaria 9 de Julho da Polícia Militar de São Paulo entre 1946 e 1951, época em que também cursava engenharia na Escola Politécnica da USP. Teve vários mestres, entre eles os coronéis Félix de Barros Morgado, Sylvio Marcondes e Roberto Mondino que traziam na bagagem o aprendizado da Escola de Saumur, na França, celeiro mundial da equitação clássica.

Como cavaleiro, Ênio Monte foi Campeão Paulista de Hipismo Universitário em 1950. A paixão pelo Salto o levou a se tornar sócio do Clube Hípico de Santo Amaro (CHSA) em 1964, onde por vários anos foi aluno do capitão Jorge Leal Furtado.

Dr Enio com Thereza e a querida Val, responsável pelo departamento de Salto do CHSA
Dr Enio com Thereza e a querida Val, responsável pelo departamento de Salto do CHSA

A dificuldade em encontrar bons cavalos para competir despertou em Ênio Monte o sonho de desenvolver um cavalo nacional que atendesse as necessidades de um mercado promissor ao esporte. Pesquisas o levaram a Argentina, de onde trouxe animais Anglo-Argentinos para a formação do plantel. Deste lote inicial vieram dois garanhões que além de cumprir função reprodutiva também fizeram sucesso nas pistas: Lanceiro montado pelo Cel. Renyldo Ferreira e Chifle, montaria de José Roberto Reynoso Fernandez, o Alfinete, e também do cavaleiro junior Ronaldo Barbosa.

Associações do Andaluz e Lusitano

No início da década de 1970, outra raça encantou Ênio Monte: o cavalo Andaluz, utilizado na formação de várias raças europeia. Em 1973, Monte importou seu primeiro cavalo ibérico, Hafiz, além de um lote de éguas. No ano seguinte o criador fez parte de uma missão histórica ao lado de outros criadores ao resgatar cavalos andaluzes que estavam sendo abatidos pela Revolução dos Cravos em Portugal. Em 1975, Ênio Monte voltou a fazer parte da história da criação nacional ao se tornar um dos fundadores da Associação Brasileira de Criadores do cavalo Andaluz, onde eram registrados cavalos Lusitanos, Espanhóis e Andaluzes Brasileiros. Em 1991, a Associação Andaluz se tornou Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Puro Sangue Lusitano (ABPSL).

Associação do Brasileiro de Hipismo

Uma nova empreitada foi assumida em 1977 quando Ênio Monte idealizou a criação da Associação Brasileira de Criadores do Cavalo de Hipismo. Inicialmente o plantel da nova raça era formado com anglo-Argentinos e Puro sangue Inglês. Depois, vieram as linhagens europeias como Hannoveriana, Trakehner, Holsteiner, Westfalen, Selas Francês e Holandês, entre outras. Mas a busca por uma raça de cavalos atletas genuinamente nacional persistia. A seleção do que existia e existe de melhor entre as linhas linhagens internacionais em éguas nacionais e importadas nasceu o cavalo Brasileiro de Hipismo.

 

Fonte: CHSA – Rute Araújo; fotos: Duílio Andrade – Tupa Vídeo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui